segunda-feira, 28 de maio de 2012

Como você está, José?? Maria está mal!

Meu tempo anda muito escasso, de forma que não tenho disponibilidade para escrever sobre as ideias e temas que vem a mente, como fazia antigamente, e amava fazer. Mas, arrumei aqui 10min para escrever algo muito legal que vi nessa semana sobre relacionamento.

Estava eu indo para casa de minha linda e maravilhosa namorada, onde jantaríamos, e ajudaria ela na leitura de um texto - um tanto difícil. No caminho, feito a pé, encontro um colega de curso do francês. Ele é 'casado' com uma menina que também faz o curso. Naquele trecho da calçada, próximo a uma parada, estava escuro, mas, com esforço, identifique-o - quando ele vinha em minha direção entre as pessoas. Percebi que, como eu, ele estava com pressa, mas, por não tê-lo visto naquela semana no curso, perguntei-lhe (usarei pseudônimos para preservá-los): E ai, José, beleza? Como tu tá?

A resposta dele foi rápida e imediata, a resposta dele foi o que, quase instantaneamente, fez-me meditar:
"Christopher, não. Não estou bem". Ele já atravessando a rua e eu seguindo o meu caminho pergunto: "Por que, Brother"? Ele responde: "Porque Maria está doente". Na hora, pensei ser a sua filhinha, então respondi: "Ah, a sua filhinha"? Ele: "Não, não... Ana. É que o nome dela: Ana Maria. Por isso não estou bem"  - Eu pensava que fosse só Maria.

Bom, o que foi que me chamou a atenção nesse diálogo, que logo ao chegar na casa de minha namorada compartilhei com ela: perguntei-o se ELE estava bem. Perguntei sobre ELE, não sobre ELA. Contudo, para ele o estar bem está intrinsecamente ligado ao bem de sua amada. Ou seja, Estou bem quando ELA está bem. Estou triste quanto ELA está mal. Ele poderia estar bem, no que diz respeito à saúde, à vida acadêmica, ao trabalho, enfim.. a qualquer coisa, mas tudo isso não lhe traria bem estar se sua amada não estivesse igualmente bem.

Isso é um dos princípios de relacionamento. Fazê-la feliz, me faz feliz; vê-la feliz, dar-me alegria; vê-la mal, triste, em sufoco, deixa-me profundamente triste, em mal estar. Para um casal, mais precisamente, um casado (e namorados), entendo que (apesar de não ser casado, mas ter namorada): minha alegria está em função da alegria dela, assim como a dela está na minha.

Christopher Vicente

terça-feira, 22 de maio de 2012

Se todos os dias...

Se todos os dias
Me assediar o meu pecado,
e a natureza morta,
grita, agita-se...
Se todos os dias
minha carne levantar armas
para batalhar com meu espírito
Se todos os dias,
o Leão me arrodear
Buscando formas de me devorar
Se todos os dias,
minha perversa mente
me levar a pecar,
Se todos os dias,
o orgulho desse coração
vier a me humilhar...
Se todos os dias
esse Eu vier a tropeçar

Todos os dias, então,
meus joelhos vou dobrar
Confiadamente do trono da Graça
vou me aproximar
Vou clamar e gritar por socorro
Vou clamar e gritar
ao Único que é capaz de
nAquele Dia, levar-me diante dEle
sem mácula e sem pecado..
Vou clamar àqueles que
Em tudo foi tentado
e tendo suportado
as mais profundas tentações.
Não pecou...

Todos os dias,
Senhor...
Chorarei, clamando
pelo o Dia da Glória...
O dia da Vitória final...
Quando esse pecado cabal
Não mais destruir a alegria desse coração
Não mais atormentar a vida que existe em mim

Quando a Tua Glória
Resplandecerá e
a única coisa que me restará
Será te adorar e nunca mais sofrer e chorar.

Christopher Vicente
 

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Como, Senhor?

Como, Senhor?
Eu quero sempre aceitar o Teu perdão
Mas, nunca desconsiderar
A Tua justiça.
Como, Senhor?

Para tal peço...
Enche do Temor.
Para que contra Ti eu não peque...
Enche do Teu Temor...
Para que eu entenda e transborde
Desse teu imenso amor.

Quem pode discernir os próprios erros?
Absorve-me, pela Tua misericórdia,
O que desconheço...
Perdoa-me dos que conheço.

Christopher Vicente

domingo, 13 de maio de 2012

Mães

Mães!
Quem ver de longe pensa que elas têm superpoderes
Como pode um ser humano normal
Cuidar de mil e uma coisas e amar
Entenda-se essas mil e uma coisas como:
esposo, filhos, trabalha, a louça, a roupa, a escola dos mininu... e por ai vai.

Mas ela não tem superpoderes
e mulé comum.
O seu maior poder é o amor...

Tudo bem que às vezes é chata:
Meninu, sai do computador....
Mininu, põe o lixo pra fora...
Mininu, vai estudar...
Pra muito filho preguiçoso, nessas horas mãe é o pesadelo

Mas, no fundo no fundo..
em meio a bufas e murmurações
todos eles sabem:
Ela faz isso pra me fazer gente...

O que mais eu poderia dizer...
talvez aqueles jargões:
MÃE, ESSE É O SEU DIA.
E os outros dia... a bichinha fica escanteada?
Parece-me que é só nesse dia, uma vez por ano,
que nós, filhos, lembramos de dar um xero no cangote -
quem tem a mãe perto OU ainda viva -
e dizer: VEIA, TE AMO! E dar um sorrizão.

Triste é olhar pra trás e não ver mais a mãe
incentivando: Vai, meu filho.. mamãe tá aqui lhe apoiando
Isso porque a mãe já se foi... pra nunca mais.
Mas, estes batem no peito,
pois mesmo as mães
com seus jeitos, defeitos, trejeitos...
Mesmo sendo elas tão falíveis e pecadoras
Elas amam. Elas cuidam
E mesmo que ao olhar pra trás,
pela vontade de Deus,
não a vejamos
Podemos olhar para dentro e saber
Que esse ser
chamado mãe
fez o tinha de fazer
Criar, amar, cuidar...
fazer de simples bebês... gente...
fazer de mininus e mininas
homens e mulheres

Quer ela esteja longe,
do lado,
ou nessa vida nem mais se encontre
Que possamos valorizar
Essa mulher que tem como nome Mãe...
Mais que uma função... isso é um mérito.

Parabéns... mulher mãe
Que Deus lhes abençoe!


sábado, 12 de maio de 2012

O perdão dos Pecados

Como após uma tempestade
Abrir a janela e sentir o refrigério
O termino de um tormento
Assim é com o perdão de pecados

Como num dia escaldante
De vento quente e torturante
Beber copo d'água
mergulhar numa piscina refrescante
Assim é com o perdão de pecados

Como olhar para ferida
Agora, cicatrizada,
não mais sentir dor
Assim é com o perdão de pecados.

Como um alegria que transborda
E ninguém pode reter
Assim é quando um pecador é perdoado
Por Deus, de seus muitos pecados.

Se eu fosse escrever
tudo o que o Senhor fizeste por mim
Os muitos pecados perdoados,
As mãos, por vezes, estendidas
daria uma coleção de Livros
Cujo título seria:

Quando Deus salva e perdoa um miserável pecador.

Christopher Vicente

quinta-feira, 10 de maio de 2012

O pecar e o perdão

Quando o monstro tenta sair
Dominar-me ou resistir...
Lembro-lhe que dele já não sou escravo
Que pelo único precioso sangue fui comprado
E que, graças à Graça que me deu liberdade
Posso dizer ao causador da morte: NÃO
E me agarrar à Tua salvação...

Perdoa-me, Senhor...
Quando esqueço dessa liberdade
e deliberadamente,
esqueço-me dessa verdade
esse esquecimento gera dor...
Mas logo me lembro
do Teu perdão e amor...
Do arrependimento
Mudança de direção
Da confissão
e do Louvor...

Christopher Vicente

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Sofro de Lonjura

Ela sentia fortes dores no peito e na cabeça, seus braços pesavam por não ter os abraços, seus ouvidos doíam por não ouvirem a voz, sua pele coçava por não ter o toque, aquele toque daquele rapaz. Então, foi a um médico.

Ela chega no consultório do médico e na sala de espera encontra alguém e começa a conversar:
"O que você vai dizer ao médico"? - pergunta o rapaz.
Ela diz: "Vou dizer, Dr. sofro de lonjura"!

E ali viram algo de comum. Algo que os ligava... começa a conversa.

O rapaz pula da cadeira e diz:
"Ahahahahahaha... tô na mesma doença"!
A menina responde com uma certa certeza:
"Preciso do MEU remédio com uma certa urgência..."
O rapaz responde com a mesma certeza de qual era o seu remédio:
"Eu também! Mas, onde se compra?
"O meu só tem em Carpinópolis..." - responde a menina com esperança.
"Nossa, é longe". - Responde o rapaz...
"Se tu vier [comigo] terei o meu remédio..."
Ela responde: "Ah, mas para resolver esse diagnóstico ai, todo esforço é válido, meu véi... vou até Carpina, a Lua, ou a Londrina".
"É verdade" - responde ele.

Nesse momento a secretária do Dr. chama: "Tayza, sua consulta é agora. Pode entrar. O doutor lhe aguarda".
Ela responde: "Não, não... obrigada, o meu remédio eu já tenho..., acabei de comprovar... Logo, logo esse sofrimento acabará". 
A secretária chama, então, o rapaz... ele que ouvia tudo testifica: "De fato, minha veinha! Que chegue logo! Obrigado, moça - diz ele a secretária -, sei também, certamente, qual é o meu"!


Esse texto fiz em homenagem ao meu amigo casal Tayza e Jotinha. Extraído de uma conversa deles por face. 
Meus irmão, que Deus os fortaleçam nessa caminhada e nesse amor, caminhando sempre para a maturidade bíblica de relacionamento... e que a distância e as dores causada por este dolorosa, mas forjadora, saudade não lhes atrapalhem. ;)

Um forte abraço. Como lhes falei: Essa conversa tava um bom texto (crônica). ;) 
Saudade.

Christopher Vicente